Banner-Site-fw-fw

Especial 10 anos: American Horror Story


Um passeio ao longo das 9 temporadas de American Horror Story e o que esperar da série para os próximos anos.

Olá, pessoas!

Tudo bem com vocês?

Hoje resolvi trazer aqui pra vocês um texto especial sobre American Horror Story, uma das séries mais conhecidas e populares dos últimos anos. 2020 marca a estreia da 10ª temporada do show de horrores e não sei se vocês acompanham as temporadas desde seus lançamentos ou são fãs mais recentes, logo, iremos discutir um pouquinho a respeito das temporadas, seus principais acertos, erros, referências e curiosidade para irmos esquentando os motores enquanto aguardamos a nova temporada.Tentei trazer um texto bem completo e informativo para aqueles que ainda não conhecem a série, vai que consiga convencer um leitor medroso a dar uma chance e assistir, não é mesmo? Dito isso, já peço desculpas de antemão pelo tamanho do texto, mas eu prometo que irá valer a pena!

Estamos em março e ainda existe uma aura de mistério cercando a nova temporada do show. Ryan Murphy, roteirista e diretor executivo da série deixou uma grande dúvida no ar com relação ao futuro de American Horror Story. Segundo Murphy, apesar de vontade da série seguir adiante (e o mesmo comentou que possui conteúdo para, no mínimo, 20 temporadas), em 2020 o contrato com a FX se finaliza e ainda não há notícias sobre uma possível renovação para uma 11ª temporada. O que você acha?

Não precisam se preocupar com isso agora, esses são assuntos que iremos discutir mais adiante.

Bem vindo ao sombrio mundo de American Horror Story. 

American Horror Story: Cult

A série estreou oficialmente em 5 de outubro de 2011 e é dirigida por Ryan Murphy e Brad Falchuck e produzida pelo canal de televisão FX. Até o momento AHS conta com 9 temporadas finalizadas e 103 episódios ao todo, trazendo uma média de 60 minutos de duração por episódio. É um pouco difícil definir seu gênero, visto que a série veio mudando muito ao longo de suas temporadas, mas podemos classificá-la como um misto entre os gêneros de terror, suspense e drama. Eu digo isso pois a principal característica da série é ser uma antologia, ou seja, cada temporada é focada em uma história independente das demais, em que o enredo é iniciado, desenvolvido e finalizado na própria temporada. Dessa forma, o elenco interpreta personagens diferentes que passam por histórias distintas a cada temporada, geralmente trazendo elementos de terror e suspense em suas narrativas, abordando medos, fobias e explorando mitos, lendas conhecidas e casas mal assombradas.

Esse formato epistolar é um pouco questionável, visto que existem algumas teorias criadas por fãs e que ganharam força na internet a ponto do próprio Murphy comentá-las sobre o fato de que todas as temporadas estão ligadas em um universo particular criado pela série. Existem conexões entre os enredos, ligações com os personagens e outras bizarras e estranhas coincidências encontradas pelos fãs mais fervorosos. Nada ainda foi de fato confirmado, no entanto, é o suficiente para alimentarem a imaginação de todos sobre uma temporada em tudo de fato se conecta e se fecha.

Em sua estreia, AHS foi uma grande sensação (chegando a ser a série mais pirateada de 2011). A aposta da série contar histórias diferentes agradou o público e a crítica, ainda mais por explorar o terror, algo que não era muito comum para uma série. Ao longo de seus 9 anos de exibição, a série vem colecionando elogios e prêmios, principalmente devido ao alto nível da atuação de seu elenco que conta com alguns nomes famosos como Jessica Lange, Evan Peters, Sarah Paulson e outras personalidades, como Lady Gaga. Ainda com toda a fama, no entanto, na opinião de alguns telespectadores, a série não envelheceu bem e suas temporadas mais recentes sofreram duras críticas e amargaram níveis baixos de audiência, algo inédito até então para a série.

Com o término do contrato com a FX e a popularidade reduzida, será que o fim de American Horror Story está próximo?

1ª Temporada: Murder House



Título: American Horror Story: Murder House
Data de Exibição: 05 de outubro de 2011 - 21 de dezembro de 2011
Número de Episódios: 12
Produtora: FX
Sinopse: A primeira temporada, intitulada Murder House, tem como tema principal a infidelidade. Explorando temas como o amor, a família, e o perdão. A história ocorre em 2011, seguindo a família Harmon do psiquiatra Ben, sua esposa Vivien, e sua filha adolescente Violet que se mudam de Boston para Los Angeles depois de que Vivien tem um aborto, e Ben tem um caso extraconjugal. Os Harmon se mudam para uma mansão restaurada e logo se encontram com os ex-residentes da casa, os Langdon: Constance Langdon, e seus dois filhos, Tate, e Addie, e o desfigurado Larry Harvey. Ben e Vivien tentam reacender seu relacionamento, como Violet, sofrendo de depressão, encontra conforto com Tate. Os Langdon e Larry frequentemente influenciam a vida dos Harmon, como a família descobre que a casa é assombrada pelos fantasmas de seus antigos habitantes.

Para o primeiro ano do show, Ryan e Brad trouxeram uma clássica história de terror, contando os horrores vividos pela família Harmon após comprar uma casa mal assombrada habitada por fantasmas e outros espíritos malignos. Ben e Vivian possuem um verdadeiro casamento de fachada: Por trás da aparência de casal perfeito, Vivian esconde a dor de um aborto e carrega o peso da traição de seu marido, um psiquiatra que se envolve com uma de suas alunas. Buscando um recomeço, a família se muda com Violet, sua filha que também sofre de depressão para uma casa localizada nos surbúbios de Los Angeles. O preço muito abaixo do mercado rapidamente atrai a atenção dos Harmon que ignoram os comentários de algumas pessoas a respeito das coisas horríveis que já haviam acontecido na casa. Como o dinheiro era curto e a casa já estava totalmente reformada por conta dos antigos moradores, eles não precisariam gastar muito e poderiam de fato focar no que era importante: A reconstrução da família. Em suma, parecia ser a oportunidade perfeita para a reconciliação de Ben e Vivian e também uma mudança de ares faria bem para Violet. Lendo essa rápida sinopse, fica claro a inspiração dos diretores para a produção da temporada: Explorar a temática de casas mal assombradas e os grandes clichês dos filmes de terror. Para tal, eles resolveram contar a história real de uma casa que ficou conhecida como A Casa dos Assassinatos, local em que mais de 20 pessoas morreram ao longo dos anos.

American Horror Story: Murder House

Espíritos e outras forças ocultas começam a atormentar a família, se aproveitando de suas fragilidades para assustá-los e transformar a vida dos Harmon em um verdadeiro inferno em busca de um objetivo: Utilizar Vivian para a geração do anti-cristo e a liberação de um mal ainda maior. Nesse ponto eu posso dizer que a série usa e abusa de elementos fantasmagóricos e outros elementos bizarros para a criação desse ambiente angustiante. A temporada ficou conhecida como Muder House e até hoje é uma das temporadas mais elogiadas e queridas pelos fãs. O primeiro ano também trouxe a ilustre presença de Jessica Lange que viveu a vizinha dos Harmon; que atire a primeira pedra quem nunca se revoltou com a maneira absurda que a megera tratava Adelaide, sua filha. O enredo emblemático de Murder House foi contado de maneira muito interessante e coesa em que você se vê mergulhado na história da casa, ao mesmo tempo que é impossível decifrar qual será o desfecho da família.

American Horror Story: Murder House


Como eu comentei acima, a Murder House de fato existe. Ela foi construída em 1902 e durante um tempo chegou a ser utilizada como um convento. A gravação do piloto da série foi realmente gravado na casa e, posteriormente, os cenários foram todos reconstruídos em estúdio, mas a mudança não é perceptível, tamanha fidelidade e profissionalismo. Macabro, não?



2ª Temporada: Asylum 


Tìtulo: American Horror Story: Asylum
Data de Exibição: 17 de outubro de 2012 - 23 de janeiro de 2013
Número de Episódios: 13
Produtora: FX
Sinopse: A segunda temporada, intitulada Asylum, tem como tema a sanidade. A história se passa em 1964 e acompanha os pacientes, médicos e freiras que ocupam a Instituição Mental Briarcliff, fundada para tratar e abrigar os criminosos insanos. Os administradores que dirigem a instituição incluem a severa Irmã Jude, a segundo em comando Irmã Mary Eunice e o fundador da ordem, o Dom Timothy Howard. Os médicos encarregados de tratar os pacientes no manicômio incluem o psiquiatra Dr. Oliver Thredson e o sádico cientista Dr. Arthur Arden. Os pacientes, muitos dos quais afirmam ser injustamente institucionalizados, incluem a jornalista lésbica Lana Winters, o acusado de assassino em série Kit Walker, e a suposta assassina Grace. Há também elementos espirituais e científicos que manipulam os habitantes do Briarcliff, incluindo possessão demoníaca e extraterrestres.


Colhendo os frutos de sua ótima temporada de estreia, AHS estava no auge de sua popularidade e sua segunda temporada estreou cercado de expectativas. A partir dos trailers, posters e outros materiais de divulgação, ninguém entendeu muito bem como continuaria sendo contada a história dos Harmon. Ao término do episódio, uma coisa ficou clara para os fãs: A temporada, intitulada como Asylum contaria uma história totalmente diferente da apresentada em Murder House. Em Asylum voltamos até o longínquo ano de 1964 em que iremos conhecer a terrível história do Briarcliff, um manicônio responsável por abrigar e tratar criminosos insanos e mentalmente instáveis. O local vem recebendo algumas denúncias de mau tratos e então a jornalista investigativa Lana Winters resolve realizar uma matéria especial no manicônio contando um pouquinho sobre a rotina do manicônio dirigido pela rígida Irmã Jude, interpreta por Jessica Lange que pelo segundo ano consecutivo, interpreta uma vilã. Evan Peters também está de volta e interpreta Kit, um dos pacientes de Briarcliff. Fechando o trio de destaques, temos a estreia da mega talentosa atriz Sarah Paulson que dá vida a jornalista.

American Horror Story: Asylum
Seu segundo ano é, em minha opinião, uma das temporadas mais assustadoras da série, por justamente conseguir retratar a insanidade das piores maneiras. O enredo explora muito bem o ambiente instável e aterrorizante do manicônio, abordando as inúmeras torturas e os bizarros experimentos que eram realizados nos pacientes para entender o funcionamento do corpo humano. Todos eram utilizados como cobaia pois por serem considerados a escória da humanidade não possuíam famílias ou pessoas que se importavam com eles, portanto, caso morressem, ninguém reinvidicaria seus direitos. Além dessa exploração, o seriado ainda aborda uma temática relacionada com perseguição religiosa e sexual, representada muito bem pela rigidez de Irmã Jude e os inúmeros questionamentos com relação a fé. Lana "Banana" Winters acaba mergulhando na história do Briarcliff e acaba se tornando uma prisioneira do local, visto que se torna uma paciente para a correção de sua "anomalia" -  A jornalista mantinha um relacionamento estável com outra mulher.

American Horror Story: Asylum


Por todo o cenário descrito, vocês podem imaginar um pouquinho do quão insanas e macabras são as cenas de Asylum. O ambiente do manicônio é muito propício para a criação de uma história de terror e durante todo tempo você se pergunta se tudo que acontece é real ou é fruto da insanidade dos pacientes. Ao meu ver, é uma das temporadas do show em que o elemento do terror foi amplamente explorado em conjunto com a loucura e a junção dos elementos abriu o espaço para os roteiristas explorarem absolutamente TUDO: Desde possessão demoníaca e até mesmo alguns elementos extraterrestres (eu sei, é algo bem avulso, nem eu entendi muito bem), Asylum mantém os níveis de tensão nas alturas e entrega como resultado um segundo ano ainda mais superior que Murder House, consagrando American Horror Story como um grande título do gênero.




3ª Temporada: Coven 


Título: American Horror Story: Coven 
Data de Exibição: 9 de outubro de 2013 - 29 de janeiro de 2014
Número de Episódios: 13
Produtora: FX
Sinopse: A terceira temporada, intitulada Coven, tem como assunto principal a opressão, especificamente das minorias. Mais de 300 anos se passaram desde os dias dos julgamentos de Salem, e o remanescente que conseguiu escapar está à beira da extinção e correndo perigo. Misteriosos ataques contra as bruxas estão aumentando e jovens garotas seguem para uma escola especial aberta em Nova Orleans, com o objetivo de aprender novas formas de proteção. Uma das novas alunas é a recém-chegada Zoe, que guarda um terrível segredo. Alarmada pelas recentes agressões, Fiona, a grande líder que estava afastada há um longo tempo, retorna para a cidade determinada a proteger o grupo das bruxas. A temporada possui elementos espirituais e relacionados com feitiçaria, incluindo caça às bruxas, feiticeiras, gnomos e vodu.

Dando continuidade a nossa volta ao tempo, chegamos no ano de 2014 em que ia ao ar o terceiro ano da série, dessa vez batizada como Coven. Para essa temporada, os produtores quiseram inovar e não trazer somente uma história de terror, mas sim explorar a Bruxaria e a arte Vodu para contar a história de um Clã de Bruxas localizado em Nova Orleans, uma cidade historicamente conhecida por possuir uma forte ligação com esses elementos. A Academia para Excepcionais Jovens Garotas da Madame Robichaux (sim, é esse nome todo mesmo) é responsável por acolher e treinar jovens bruxas a fim de aprender a como controlar seus poderes para que possam sobreviver a um ambiente extremamente hostil em que outras diversas outras bruxas foram caçadas e mortas, muito semelhante ao que aconteceu em Salém. A Academia é governada por Fiona Goode (Jessica Lange) que é tida como a Suprema do clã, a bruxa mais poderosa que é incumbida de cuidar do treinamento das jovens que chegam até a cidade.

American Horror Story: Coven 


O enredo gira em torno de Zoe Benson, uma jovem bruxa que chega até a Academia sem o menor controle de seus poderes e que guarda terríveis segredos. Ao mesmo tempo, Fiona devido a idade, perde progressivamente seus poderes e ocorre o procedimento para a escolha da nova Suprema. A temporada explora muito bem os elementos místicos e cabalísticos e não faltam referências a rituais, seitas e festivais vodus, muito comuns na região, trazendo um ótimo conteúdo, além de ser algo bem diferente para a série. Pela primeira vez, o conteúdo da temporada não era propriamente de terror e o resultado é uma boa história lúdica de suspense. A série mergulhou a fundo na história de Nova Orleans, abordando também um capítulo obscuro da cidade: A escravidão. Para contar essa história, Kathy Bates deu vida a Delphine LaLaurie, uma socialite de origem francesa e altamente respeitada pela classe rica de Nova Orleans que torturava e matava das maneiras mais sádicas seus escravos no porão de sua casa. Marie Laveau (Angela Bassett), também conhecida como a Rainha do Vodu foi uma das mais conhecidas praticantes da arte nos EUA também foi trazida para Coven.

Delphine LaLaurie (Kathy Bates) e Marie Laveau (Angela Bassett) | American Horror Story: Coven

Coven é um das temporadas mais dinâmicas e queridas pelos fãs e uma das que você menos sente medo. Eu a considero inferior quando comparada com Asylum, mas ainda sim, é muito interessante a maneira com que todos os elementos foram conectados e a história foi contada. A terceira temporada é tão emblemática que inumeros abaixo assinados foram preenchidos, solicitando aos diretores que dessem uma continuação de Coven. Guardem esse detalhe, iremos comentar sobre isso adiante.  


4ª Temporada: Freak Show 




Título: American Horror Story: Freak Show
Data de Exibição: 8 de outubro de 2014 - 21 de janeiro de 2015
Número de Episódios: 13
Produtora: FX
Sinopse: A quarta temporada, intitulada Freak Show, tem como ideia central principal a discriminação, com a história se tratando de acontecimentos em torno de um espetáculo de aberrações.

Liderados por uma ambiciosa mulher chamada Elsa Mars, o circo chega até Júpiter, na Flórida. No entanto, os funcionários desse Circo são... bem, diferentes. Renegados e excluídos por uma sociedade preconceituosa e excludente, pessoas tidas como anormais encontram no circo seu único abrigo, usando de suas estranhezas para a criação de um espetáculo macabro e sombrio. No picadeiro, a mulher barbada, seu filho que possui mãos que se assemelham a garras de lagosta, irmãs siamesas, homens extremamente fortes, contorcionistas e muitos outros, brilham no palco e arrepiam as pessoas, que pagam para testemunharem um verdadeiro show dos horrores. A série utiliza a temática circense para tratar a discriminação por quem é diferente dos padrões e que acabam sendo tratadas como aberrações.

American Horror Story: Freak Show

O grupo de Elsa acaba atraindo a atenção de um grupo de contrabandistas que se interessam pelos membros do circo e querem vendê-los para médicos realizarem experimentos bizarros (olha uma conexão com Asylum aí), além de utilizarem seus órgãos em transplantes ilegais. Ao mesmo tempo, uma terrível figura vestida de palhaço deixa um rastro de assassinatos mortais pela cidade e não demora a associar o palhaço a um dos membros do circo de Elsa, dando início a uma perseguição. A 4ª temporada do show é tida por muitos como a última grande temporada de American Horror Story. Eu concordo parcialmente. Freak Show marca a saída de Jessica Lange que interpreta Elsa. A atriz é uma das mais queridas que compõe o elenco, já que Jessica deixa sua marca por seus personagens icônicos, ótimas atuações e muito carisma.

American Horrror Story: Freak Show

Particularmente eu não curti muito a maneira com que o roteiro da série foi desenvolvido sendo mais corrido quando comparamos com seus três anos anteriores, mas ainda sim foi uma temporada em que conseguiram trazer cenas bem bizarras e macabras e que entraram para a história da série, além de apresentarem um dos melhores finais de temporada. Apesar de todo o sucesso, fama e popularidade que American Horror Story conquistou ao longo de seus quatro anos iniciais, a saída de Jessica foi sentida por parte do público e da crítica. Os roteiristas adotaram uma identidade jornalística para a série, buscando abordar histórias reais, lendas ou locais mal assombrados para a composição de suas temporadas. Após algumas pesquisas, a direção bate o martelo e resolve contar a amarga e misteriosa história de um hotel localizado no centro de Los Angeles que, pasmem, ainda está em funcionamento e hoje em dia se chama Stay on Main Hotel.


5ª Temporada: Hotel 



Título: American Horror Story: Hotel
Data de Exibição: 7 de outubro de 2015 - 13 de janeiro de 2016
Número de Episódios: 12
Produtora: FX
Sinopse: A quinta temporada, intitulada Hotel, tem como principal tema o vício, passando-se nas dependências de um hotel macabro. O detetive John Lowe investiga uma série de crimes que o leva ao Hotel Cortez, onde ele encontra seu filho que havia desaparecido anos antes. O hotel é ambientado por fantasmas e funcionários que ali vivem. Dentre eles, estão Iris e Liz Taylor, as recepcionistas do hotel; Donovan, filho de Iris; e Sally, uma viciada em drogas que morreu na década de 1990. A proprietária do hotel, a Condessa, é uma vampira que faz de tudo para manter seu status e seus filhos, além de precisar matar sua sede de sangue.

Sabem o que mais estou gostando de fazer esse especial? A cada temporada me sinto escrevendo um texto diferente já que os enredos explorados são tão distintos. Como citei acima, os produtores modificaram a maneira com que a história seria contada, adotando um caráter jornalístico, misturando lendas reais com o enredo fictício, tal qual apresentado durante a primeira temporada.

Para o quinto ano do show, a história é ambientada na década de 30 em que iremos conhecer os mistérios e segredos que os mais de 600 quartos do Hotel Cortez escondem. O detetive John Lowe (interpretado por Wes Bentley) começa a investigar uma série de mortes cometidas por um serial killer que se denomina como o Assassino dos Dez Mandamentos, um homem que justifica suas ações - e mortes - com os ensinamentos bíblicos. Com o avanço das investigações, fortes indícios apontam uma ligação do assassino com o misterioso Hotel Cortez que foi construído em meados da década de 20 por um magnata chamado James March (Evan Peters) e hoje é comandado por uma misteriosa mulher denominada como A Condessa (Lady Gaga). Lowe então resolve se hospedar no hotel a fim de investigar melhor, mas não faz ideia do pesadelo que iria se meter.

American Horror Story: Hotel


O Hotel desde sua inauguração possui um passado sombrio: O fundador era um serial Killer e além dos inúmeros quartos, a construção é repleta de corredores escondidos, salas secretas e passagens utilizadas por James para caçar e matar suas vítimas; em outras palavras, o Hotel fora construído por um serial Killer. Aos poucos, o investigador entra em contato com as almas de todos que perderam suas vidas no Hotel Cortez (na vibe de O Iluminado) e o terrível segredo da Condessa é finalmente revelado: Ela é uma espécie de vampira que se alimenta dos hóspedes.

O enredo de Hotel é muito sombrio e foi muito bem explorado pela produção. Os cenários constrúidos contribuem muito para a vibe assustadora da história e a narrativa é uma das melhores (ou a melhor) de toda a série: É assustdor, irreverente e original. As ótimas atuações de Sarah Paulson e Evan Peters, como de praxe, sempre representam um diferencial para a série, mas o destaque foi para Lady Gaga: Com a saída de Jessica Lange (que originalmente interpretaria A Condessa) foi-se necessário escalar uma pessoa a altura para viver a vampira. Me lembro que na época em que Gaga foi escalada, choveram comentários negativos, já que era um de seus primeiros trabalhos como atriz, no entanto, ela realmente mandou muito bem e fez um ótimo trabalho, ganhando inclusive, um Globo de Ouro por sua interpretação e um convite para participar da vindoura sexta temporada do show. 


American Horror Story: Hotel

Particularmente falando, eu tenho um carinho especial por Hotel: Os fãs realmente massacram e a mesma possui a avaliação mais baixa no Rotten Tomatoes e acredito que foi devido a uma mistura muito grande das temáticas que resultaram em episódios confusos e desconexos, mas ainda sim, gosto dos elementos técnicos da temporada, principalmente a construção do enredo da série, mesclando com a misteriosa (e real) história do Hotel.



6ª Temporada: Roanoke


Título: American Horror Story: Roanoke
Data de Exibição: 14 de setembro de 2016 - 16 de novembro de 2016
Número de Episódios: 10
Produtora: FX
Sinopse: Apresentada como uma série de documentários intitulada My Roanoke Nightmare, a história segue o casal Shelby Miller e Matt Miller que se mudam de Los Angeles para uma casa em Roanoke, na Carolina do Norte. Assim que o casal se instala, ocorrências estranhas e paranormais começam a assombrá-los. Casos como encontrar fitas de VHS sobre o Dr. Elias Cunningham falando sobre casos reais que ocorreram na casa, encontrar o fantasma de Edward Phillipe Mott, construtor da casa e descendente da família Mott, e encontrar a Colônia de Roanoke, liderada pela Açougueira, pela bruxa Scáthach e pelos filhos, como Ambrose White. Depois do seu grande sucesso nos Estados Unidos, My Roanoke Nightmare é renovada para uma "segunda temporada", intitulada Return to Roanoke: Three Days in the Hell, onde traz os atores e os que relataram os casos.

Roanoke é, de longe, a pior das temporadas. Novamente foram cometidos os mesmos erros de sua temporada anterior, principalmente os relacionados com a narrativa: Sua história é muito interessante, mas peca muito em execução. Dessa vez, o enredo é narrado através de um reallity show ao estilo Discovery e conta a história e os terríveis pesadelos vividos pelo casal Millerque que se mudam para uma casa localizada em Roanoke, na Carolina do Norte. Lá, eles testemunham o verdadeiro horror com espíritos, assombrações e outras figuras demoníacas que habitam a histórica região de onde a Colônia de Roanoke se instalou no final do século XVI.

American Horror Story: Roanoke

Misteriosos eventos durante a época da colonização permanecem sem explicações até os dias atuais e  culminaram com a morte ou o desaparecimento de todos os colonos de Roanoke, se trasnformando numa das maiores lendas que rondam o território norte americano. Pessoalmente, achei a história muito interessante, mas não creio que esse formato tenha sido a melhor escolha, visto que os episódios são muito chatos e sem nenhum impacto.

American Horror Story: Roanoke

Como citei no texto anterior, Lady Gaga retornou ao sexto ano da série como coadjuvante, e ela não conseguiu repetir a mesma atuação vencedora do Globo de Ouro; sua personagem aparece bem pouco e para ser sincero, eu não entendi muito bem a importância da personagem para a história. Em suma, foi uma temporada bem problemática e esquecível, sendo até hoje alvo de muitas críticas por parte dos fãs, se tornando a segunda temporada menos bem avaliada da série até o momento, ficando atrás somente de Hotel.  


7ª Temporada: Cult 



Título: American Horror Story: Cult
Data de Exibição: 5 de setembro de 2017 - 14 de novembro de 2017
Número de Episódios: 11
Produtora: FX
Sinopse: Após as eleições presidenciais dos Estados Unidos de 2016, a cidade fictícia de Brookfield Heights, em Michigan, fica dividida. A proprietária do restaurante local, Ally Mayfair-Richards, está completamente perturbada pela vitória de Donald Trump e várias de suas fobias de longa data, incluindo a hemofobia e a tripofobia, se intensificam com os recentes acontecimentos e ela tenta conseguir a ajuda de sua esposa, Ivy, e seu psiquiatra, Dr. Rudy Vincent, para curar suas fobias. Um dos residentes de Brookfield Heights, um sociopata manipulador chamado Kai, se alegra com os resultados das eleições e fica inspirado a seguir o poder político. Então, Kai forma um culto para conseguir realizar suas ideologias, contando com a ajuda de seus seguidores.

Foi muito difícil pra mim assistir essa temporada e também procurar fotos pra colocar aqui pra vocês na postagem por motivos de: Tripofobia. O sétimo ano da série se propôs a tratar o psicológico humano e suas diversas fobias e nessa temporada tem de tudo: Tripofobia, agorafobia, medo de palhaços, dentre outros.. É um verdadeiro show dos horrores.

American Horror Story: Cult

Utilizando a polêmica eleição de Donald Trump como presidente dos EUA, a temporada mostra a separação política dos habitantes de uma cidade fictícia. Ao mesmo tempo, a série discute políticas de armamento através de uma seita liderada por Kai, um jovem problemático com ideias segregatórios. Segundo entrevistas dos diretores, a seita liderada por Kai é uma representação da terrível seita liderada por Chales Mason que assassinou a atriz grávida de 9 meses, Sharon Tate.

American Horror Story: Cult

Eu considero a temporada como uma salada de frutas em que se tentou misturar inúmeras temáticas e no final das contas, nenhuma delas conseguiram ser bem desenvolvidas. O destaque em minha opinião vai para Sarah Paulson que dá vida a personagem Ally Mayfair que sofre das diversas fobias mencionadas. A atuação dela é extremamente profissional e acredito que ela soube retratar muito bem o que é conviver com essa doença, mas ainda sim, a temporada é problemática e tem pouco a acrescentar, passando despercebida entre as demais temáticas da série. 

8ª Temporada: Apocalypse


Título: American Horror Story: Apocalypse
Data de Exibição: 12 de setembro de 2018 - 14 de novembro de 2018
Número de Episódios: 10
Produtora: FX
Sinopse: Apocalypse se passa na Costa Oeste dos Estados Unidos em um futuro próximo. Após uma explosão nuclear que destrói o mundo, o Posto 3, um abrigo subterrâneo, é construído para abrigar sobreviventes específicos que possuem forte composição genética. Wilhemina Venable e Miriam Mead comandam o abrigo, causando tortura àqueles que residem lá. As pessoas no local são o cabeleireiro Sr. Gallant, sua avó, Evie, a bilionária Coco St. Pierre Vanderbilt e sua assistente, Mallory, assim como novas adições, Timothy Campbell e Emily, que enfrentam a ira das duas mulheres. No entanto, Michael Langdon, o Anticristo, chega e começa a transformar a ordem em caos, pois pretende levar os merecedores para um "santuário".

Por conta do fraco desempenho de suas duas últimas temporadas, até o presente momento em que essa review foi ao ar, eu ainda não assisti a 8ª temporada do show intitulada como Apocalipse. Eu tive péssimas experiências com Roanoke e Cult que me fizeram perder todo o interesse em acompanhar a série, no entanto, como não quis deixá-la de fora já que estamos fazendo uma retrospectiva de todas as temporadas, a mantive por aqui, mas somente como informativo, já que não posso falar muito sobre.
American Horror Story: Apocalypse

Por opiniões dos usuários e de amigos próximos, a temporada melhorou muito em comparação com as demais e pelo que parece, a mesma possui conexão com as temporadas de Murder House e Coven, a 1ª e a 3ª, respectivamente, trazendo icônicos personagens de volta e dando um desfecho para as temporadas, que tiveram finais abertos, além de misturar com elementos pós apocalípticos e algo envolvendo o fim do mundo. Analisando antes de assistir, me parece que ocorre a mesma salada de temas que ocorreu em Cult, mas algumas pessoas próximas falam muito bem da temporada e dizem que vale a pena; eu pretendo assistir e depois comento com vocês o que achei a respeito. 


9ª Temporada: 1984



Título: American Horror Story: 1984
Data de Exibição: 18 de setembro de 2019 - 13 de novembro de 2019
Número de Episódios: 9
Produtora: FX
Sinopse: 1984 é ambientada no ano-título em Los Angeles, e segue a história dos amigos Brooke, Montana, Xavier, Chet e Ray, que participavam de uma academia de dança aeróbica e, depois, vão trabalhar como conselheiros no Acampamento Redwood, o local mais frequentado por jovens nas férias de verão. Porém, o que eles não esperavam era que o jardineiro e serial killer Benjamin Richter, conhecido como Sr. Jingles, que fez o maior massacre de verão no local na década de 70, acaba escapando do sanatório e retorna ao acampamento em busca de vingança.

A última temporada exibida do show (ao menos até o momento) é a que mais arrancou elogios e críticas, além de ter se tornado a temporada mais bem avaliada da série no site Rotten Tomatoes. 1984 é uma grande homenagem aos filmes de serial killers e psicopatas, muito comuns na década de 80 e trazem todos os elementos vanguardistas que tornaram o estilo tão popular e conhecido, mesmo nos dias de hoje. 1984 bebe da fonte de grandes filmes como Sexta-Feira 13 ao trazer o psicopata Mr Jingles, que retorna ao Acampamento de Redwood, 10 anos após sua prisão, para perseguir e matar os conselheiros do acampamento, assim como fez na década de 70. Apesar de ter abandonado a série e não ter assistido a temporada passada, essa temática logo me chamou atenção, já que amo filmes de terror e Sexta-Feira 13 é uma das minhas obras favoritas. Por não possuir nenhuma ligação (aparente) com as temporadas, eu consegui assisti todos os episódios sem problemas e a temporada é  realmente muito divertida por brincar com os clichês do gênero, trazendo inclusive os efeitos utilizados se assemelham muito aos utilizados na época e todos os elementos trazem essa vibe nostalgica. Eu ainda gosto muito das três primeiras temporadas, mas 1984 se credenciou como o melhor ano da série em muito tempo. 


Como citei, 1984 se tornou a temporada mais bem avaliada de American Horror Story até então. Dessa forma, a classificação final, segundo o Rotten Tomatoes fica a seguinte: 


American Horror Story: 1984 - 87%
American Horror Story: Asylum - 84%
American Horror Story: Coven - 83%
American Horror Story: Freak Show - 78%
American Horror Story: Apocalipse - 75%
American Horror Story: Roanoke - 74%
American Horror Story: Cult - 73%
American Horror Story: Murder House - 73 %
American Horror Story: Hotel - 64%

E pra vocês, quais são as três melhores temporadas?


American Horro Story: Hotel

O que esperar da 10ª temporada?

A produção do décimo ano de American Horror Story encontra-se em fase de pré-produção e não existem quase informações sobre a temática da temporada. Ryan Murphy revelou que algumas dicas podem ser encontrados em alguns episódios de 1984 e já existem diversas teorias na internet, mas até o momento, nada confirmado. Muito especula-se também a respeito do futuro da série após o término da temporada, já que o contrato com a FX contemplam 10 temporadas. Ryan também deu alguns indícios de que o final da série estava próximo, visto que os últimos anos da produção amargaram críticas negativas e baixa popularidade. Talvez com o fato de 1984 ter trazido novos ares para a série, é possível que eles sigam por esse caminho e que a série sobreviva por mais alguns anos, mas ainda nada foi confirmado. 

Apesar do mistério com relação a temática, especula-se que novamente grandes atores que marcaram a história da série estarão de volta, dentre eles Sarah Paulson e Evan Peters, cuja as últimas aparições foram em Cult e Jessica Lange que apesar de ter retornado em Apocalypse, fez apenas algumas aparições e não foi confirmada para nenhum papel fixo desde então. 

American Horror Story: 1984


Espero que vocês tenham gostado do texto especial de hoje. Não se esqueça de contar aqui pra gente nos comentários qual sua temporada favorita da série e também deixa um palpite sobre o tema da nova temporada.

Vejo vocês em breve.

Até lá.



Postar um comentário

0 Comentários